Começa a funcionar hoje (22), no antigo Hospital Espanhol, na Barra, o Centro de Tratamento criado pelo Governo do Estado da Bahia para acolher, exclusivamente, pacientes que tenham sintomas graves da Covid-19. A estrutura conta com 220 leitos instalados, sendo 140 de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 80 leitos clínicos.

“Esperamos o mais rápido possível passar por esse momento difícil que a Bahia e o mundo atravessam. Será com a colaboração de todos que iremos ultrapassar esse momento rapidamente”, disse o governador Rui Costa.

O governador revelou ainda que “nos próximos dias, vamos colocar em funcionamento a Fonte Nova, onde serão oferecidos mais 100 leitos de UTI e 140 leitos clínicos. Já temos os hospitais Couto Maia, Ernesto Simões e Subúrbio. No interior do estado também temos outros hospitais contratados. Em todas as regiões do estado, nós temos centros de atendimento e esperamos não precisar utilizá-los”.

Para a procuradora do Estado Bárbara Camardelli, chefe da Procuradoria Administrativa e uma das responsáveis pelo processo que solicitou, perante a Justiça, a reabertura do hospital, “é muito gratificante, neste momento, presenciar o funcionamento desta unidade hospitalar, que irá prestar assistência médica aos pacientes da Covid-19, minimizando assim os efeitos da pandemia. Nos últimos dias estamos reunindo todos os esforços no tocante ao assessoramento das ações do Estado, em especial as da área de saúde, para que se realizem em tempo hábil e dentro da legalidade”, informou.

Os profissionais médicos e de apoio logístico que irão atuar no Espanhol – que também possui salas de cirurgia, emergência e refeitório – já foram contratados. O hospital foi cedido pela justiça federal para o governo baiano em março, e as obras de adequação foram imediatamente iniciadas.

A liberação

A ocupação temporária do imóvel onde funcionava o Hospital Espanhol, para sua utilização no tratamento de pacientes contaminados pelo coronavírus, foi autorizada no mês de março, pela Justiça Federal, à pedido da Procuradoria Geral do Estado da Bahia.

A PGE solicitou a autorização para que fosse implantado em suas instalações um hospital de campanha para atendimento especializado de saúde para os pacientes com o COVID-19.

O procurador do Estado Tarcísio Menezes, que também atuou no processo, explicou que o iminente perigo público estava devidamente caracterizado pelos números assombrosos de contágio do COVID-19 e pela sua potencial capacidade de morticínio entre pessoas idosas e com imunidade deficiente.